domingo, 14 de maio de 2017

Uma carta para ti #1

I was your little girl
And you were my boy
we made your love grow
And now we can't fall apart...


terça-feira, 29 de março de 2016

Pelos vistos é este ano!!!!!!!

Vou realizar o meu maior sonho: ir à Áustria.
Infelizmente não irei conhecer Salzburg...mas já é um avanço :)

Viena aguarda-me!!!!


Coisas que me irritam

Porque é que quando se diz que se precisa de ir ao psiquiatra as pessoas começam a rir-se como se fosse uma piada?
Simplesmente é um hospital como outro qualquer. Não se resolve lá problemas de "malucos", como se costuma dizer.
Eu sou ansiosa, ao ponto de 1 mês antes de algo já andar a stressar com o assunto, o que para mim não é normal.
Se para os tais "normais" é, será que eles é que são os tais anormais?


terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Escrita

Não é segredo para ninguém que tenho conta no wattpad onde escrevo as minhas histórias.
E, a verdade, é que aos poucos elas têem-se desenvolvido...

Geralmente são romances, mas o tema e história são sempre diferentes.

Espero que gostem e acompanhem-me lá



domingo, 7 de fevereiro de 2016

Anúncio

Na cadeira de Marketing temos de fazer, como trabalho final, um plano de marketing.

E como tal, devido às pesquisas que tenho feito, tenho encontrado coisas muito interessantes.

O anúncio em baixo foi dos meus preferidos. É original e sensível e traz uma ótima mensagem.



Reações a uma carta escrita por Beethoven enquanto estava maluco

“Meu anjo, meu tudo, meu próprio ser – Hoje apenas algumas palavras à caneta (à tua caneta). 


Só amanhã os meus alugueres estarão definidos – que desperdício de tempo… 


Por que sinto essa tristeza profunda se é a necessidade quem manda? 


Pode o teu amor resistir a todo sacrifício embora não exijamos tudo um do outro?


 Podes tu mudar o fato de que és completamente minha e eu completamente teu? 


Oh Deus! Olha para as belezas da natureza e conforta o teu coração. 


O amor exige tudo, assim sou como tu, e tu és comigo. 


Mas esqueceste tão facilmente que eu vivo por ti e por mim. 


Se estivéssemos completamente unidos, tu sentirias essa dor assim como eu a sinto. [...] 


Nós provavelmente devemos nos ver em breve, entretanto, hoje eu não posso dividir contigo os pensamentos que tive nos últimos dias sobre minha própria vida – Se os nossos corações estivessem sempre juntos, eu não teria nenhum… 


O meu coração está cheio de coisas que eu gostaria de te dizer – ah – há momentos em que sinto que esse discurso é tão vazio – Alegra-te – Lembra-te da minha verdade, o meu único tesouro, o meu tudo como eu sou o teu. 


Os deuses devem-nos mandar paz… 



Teu fiel Ludwig”

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Um post à Alta Definição

Desde nova te sentiste fascinada pela área que estudas? Como surgiu essa admiração?
Desde sempre soube que a minha vida não seria ligada à área das ciências. Não me fascinava de todo. Sabes o que é ires a visitas de estudo, onde fazias experiências e a única coisa que eu queria era sair dali, porque aquilo não me interessava para nada.
Eu sempre quis ser escritora. Enquanto que as outras crianças jogavam à bola e brincavam no escorrega, eu usava as minhas bonecas como personagens das minhas histórias. Estava nas aulas a sonhar em pé sobre o que iria acontecer e, quando não estava a brincar, escrevia e desenhava histórias.
Também usava a minha irmã como cobaia. Basicamente escrevia uma peça e depois iríamos apresentá-las, juntas, aos nossos pais.
Depois andei desde nova a ter aulas de música, mas o que a das pessoas não sabem é que andei 7 anos a te aulas, pois ajudava-me a resolver um problema de fala. Ainda o tenho, mas simplesmente aprendi a disfarçar.
A parte da Gestão veio mais com uma brincadeira, apesar de o que eu queria era licenciar-me em Economia e tirar mestrado em Gestão Bancária. Decidi isto no 8º ano e até agora é o que me interessa.
No entanto, a vida dá umas voltas e, apesar de ter média para entrar em basicamente em todo o lado no curso que eu queria, por culpa de um mísero exame, entrei em Gestão.

E ficaste a uns bons quilómetros de casa. Como foi a adaptação?
Boa, mas nada fácil. Se é difícil para um adulto recomeçar a vida noutra cidade, para uma rapariga de 17 anos, também não o é. Não conhecia nada nem ninguém. A primeira vez que fui visitar a cidade onde eu acabei por ficar, foi um mês antes de as colocações terem saído. Lembro-me que na minha primeira praxe andava assim um pouco nariz empinado, mas era porque estava mais ocupada a ver o sítio para onde me estavam a levar do que propriamente com paciência para fazer o que me estavam a pedir.

Como é que combates a solidão? Alguma vez choraste?
Por incrível que pareça anda sempre muito ocupada. Com aulas de manhã à noite não me resta muito tempo livre. O que me revolta é, por exemplo estar fora o dia todo e chegar a casa às 20 horas da noite e ainda estar a pensar em fazer o jantar, limpar a casa, ir às compras, pois não tenho quem me faça isso. Apesar de dividir a casa, cada uma tem a sua vida.
Depois vejo toda a gente sempre a queixar-se da mais pequena coisa e eu não. Aguento-me com aquilo que tenha, pois sei que ninguém era capaz de fazer por mim o que faço para os outros. As pessoas são muitos egoístas e isso revolta-me. Apesar de não ser muito sentimental e de me fazer de forte, chega um dia em que digo: CHEGA! e choro. No dia seguinte acordo como se nada tivesse acontecido.

Mas nunca deste a parte fraca?
Não. Sempre que mudava de ciclo, mudava de escola e de turma. No fundo já sabia que quando fosse para a universidade iria mudar de cidade. Por isso estava tranquila. E para quem não estava habituada a fazer muitas coisas em casa, até me tenho conseguido desenrascar. Há sempre aspetos positivos em tudo.

E como eras nas aulas?
Calma. Boa aluna e acima de tudo perfecionista. Não gostava de causar problemas, mas quando era necessário também dizia as verdades.

Alguma vez achaste que foram injustos contigo?
Sim. Muitas vezes. Em primeiro lugar detesto que me digam que estou mal ou errada sem me explicarem o porquê. Se eu tiro uma nota que acho injusta, gosto que me expliquem o porquê daquela nota. E há muitos professores que não querem saber dos alunos e trazem os seus problemas para a sala de aula e nós é que os temos de aturar. No meu ver, um bom profissional deixa os seus problemas à porta. Eu faço isso. Porque é que os outros não podem fazer também?
Mas houve um momento que me marcou. Era fim de ano e eu sabia que me tinha esforçado ao máximo para tirar bons resultados, mas houve duas colegas minhas que ficaram revoltadas pelos professores me irem dar uma nota mais alta. E depois começaram a fazer comparações ridículas. Basicamente só me queriam prejudicar, sem necessidade, pois eu só dou a minha opinião quando acho que o devo fazer e quando não é para prejudicar ninguém. Nunca lhes tinha feito mal nenhum, por isso, estes e outras cenas do género só nos fazem crescer.

E a nível de família?
Todas têm os seus problemas. A minha não é exceção. Mas pior é quando as crianças é que sofrem por causa das discussões dos adultos. Quando elas é que são as afetadas. Lá por a minha família não se dar, não quer dizer que num dia para o outro tenha que me afastar dela. Mas a verdade é que quer,

E sempre tiveste quem te apoiasse?
Se há coisa que raramente falo é da minha família, ou se falar é das pessoas com quem lido mais.
Depois, se há coisa que detesto é que se metam na minha vida. Então na praxe, por vezes, achavam que eram os nossos donos e gostavam de nos fazer perguntas e, quando era assim, ou ignorava-os ou mentia, se fosse necessário.

Tinhas medo que te julgassem de certa forma?
Não é bem isso. Quando é algo que não me orgulho, escondo. E não gosto que se metam na minha vida, de preferência se não for para ajudar. A maioria só gosta de saber coisas porque sim, não têm mais nada que fazer à vida. E quando se metem a dar conselhos sobre algo que mal sabem da história, prefiro que se mantenham calados.
Houve uma amiga minha que, uma vez, me proibiu de me encontrar com uma rapaz. A verdade é que ele era um idiota, e no fundo sabia isso, mas não queria acreditar. Precisámos de viver certas coisas para crescer. E graças a certas coisas que ele me fez, ajudou-me a crescer imenso.
Depois não gostava nada de um rapaz com quem andava e, quando se lembrava, mexia no meu telemóvel para ver as minhas conversas e depois proibia-me de falar com ele, pois achava que merecia melhor.
Por estas coisas é que não gosto que se intrometam na minha vida.

E acreditas no amor?
Nem por isso e cada dia que passa acredito cada vez menos. Simplesmente não tenho paciência para aquelas relações em que o homem se senta e espera que a mulher faça tudo. Ou naqueles que passam o dia a jogar e, quando se lembram, são capazes de ser os melhores namorados, só para que ela não se chateie.
Além disso, as pessoas quando estão apaixonadas perdem a razão. Por exemplo:
- Ohh quero um gelado!
- Não podes. Lembra-te que isso engorda muito.
- Mas o teu namorado está de dieta e comeu um.
- Mas ele esteve a semana toda a comer fruta!
- E eu também. E tenho bebido sempre água.
- 2L?
- Não, pois não consigo beber muitos líquidos num dia, mas já é muito bom não andar há um bom tempo a beber refrigerantes e tenho bebido cerca de 1L de água por dia.
- Mas o ideal é 2L!
Coisas do género. Lá por gostar de alguém não quer dizer que ele seja perfeito. E temos de parar de ver só os defeitos nos outros, quando quem está connosco faz igual ou pior.

O que dizem os teus olhos?
Para não desistir que ainda irei realizar os meus sonhos todos!






sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Finalmente!!!!!!!



Mattel anunciou hoje a nova coleção da tão famosa boneca: Barbie. E ela bem com 3 novos diferentes corpos. Há a mais baixa, a curvilínea e a alta.

A mudança que já estava há muito aguardada!!



"Por mais de 55 anos , Barbie tem sido um ícone cultural global e uma fonte de inspiração e imaginação para milhões de meninas ao redor do mundo", disse Richard Dickson , presidente e diretor de operações da Mattel. " Sua capacidade de evoluir e crescer com os tempos, enquanto permanece fiel ao seu espírito, é o motivo de a Barbie ser a número um do mundo."


Acreditamos que temos uma responsabilidade de refletir uma visão mais alargada da beleza”, destaca Evelyn Mazzocco, diretora geral global da Barbie.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Reação à carta de amor de Fernando Pessoa para um amigo imaginário...quer dizer, para Ofélia


Meu Bebé pequenino:

Então o meu Bebé fez-me uma careta quando eu passei?


Então o meu Bebé, que disse que me ia escrever ontem, não me escreveu?


Então o Bebé não gosta do Nininho? (Não é por causa da careta, mas por causa de não escrever.)


Olha, Nininha; e agora a sério: achei que tinhas um ar alegre hoje, que mostravas boa disposição. Também pareces ter gostado de ver o Íbis81, mas isso não garanto, com medo de errar.


Ainda fazes muita troça do Nininho? (A. de C.)


Não sei se irei amanhã a Belém; o mais provável, como te disse, é que vá. Em todo o caso, já sabes: depois das 6.30 não apareço, de modo que escusas de esperar pelo Íbis para além dessa hora.


Ouvistaste?


Muitos beijos e um braço à roda da cintura do Bebé.




Sempre e muito teu Fernando